AYAHUASCA

INFORMAÇÕES ÚTEIS

 XAMANISMO (SHAMANISMO) COM AYAHUASCA

Xamanismo ou Shamanismo é Universalismo, é o ponto comum a todas as doutrinas, é onde todas as egrégoras se encontram, em sua missão de espalhar a Luz da Verdade e do Amor à Humanidade. Por isso, no Xamanismo, você encontrará representantes de todas as correntes religiosas e filosóficas: Cristãs (Católicas, Evangélicas, Espíritas), Hinduístas, Budistas, Indígenas, Celtas, Africanas, Umbandistas, Fraternidades, etc. Pode-se conceber o Xamanismo como o fio que une todas as pérolas do colar. Pela ótica xamânica a espiritualidade divide-se apenas em duas possibilidades: Luz e não-Luz ou, em outras palavras, Amor e não-Amor.  A ‘aparência’ que a humanidade concebe dos seres espirituais é respeitada em deferência às raízes culturais e religiosas de cada povo.

A Raiz da palavra Xamã ou Shaman (aquele que cura caminhando entre dois mundos) deriva da língua dos povos Tugus, da Sibéria, adotada amplamente pelos antropólogos para se referirem a pessoas de uma grande variedade de culturas ancestrais, que antes eram conhecidas por: pajés, curandeiros, curadores, benzedores, taitas, magos, videntes, etc, embora nem todo vidente, curandeiro, mago ou pajé, seja um xamã.

RESUMO HISTÓRICO

Ayahuasca significa “Vinho das Almas” (Aya simboliza o Espírito e Huasca, vinho ou chá), é uma bebida sagrada, preparada através da decocção pela fervura de duas plantas de poder: o cipó Jagube (Banisteriopsis Caapi) e a folha Chacrona (Psychotria Viridis), onde estas são misturadas apenas com água, num processo chamado “Feitio”.

É também conhecida por yagé, caapi, nixi honi xuma, hoasca, vegetal,  daime, kahi, natema, pindé, dápa, mihi,  professor dos  professores, pequena morte, entre outros.

Utilizada pelos incas e também por pelo menos setenta e duas tribos  indígenas diferentes da Amazônia. É utilizada em paises como Peru,  Equador, Colômbia, Bolívia e Brasil. A primeira descrição oficial da bebida ocorreu em 1855. Existem indícios arqueológicos de que os povos nativos a utilizam há 5 mil anos na América do Sul e há mais 2 mil anos no Brasil. O uso da Ayahuasca é uma tradição de tribos do Brasil, Peru e Equador, provavelmente desde tempos anteriores à Civilização Maia. A proposta básica destes e de diversos outros grupos é  atingir o autoconhecimento através de experiências de tipo  místico-espiritual, onde por meio de visões e estados de expansão da  consciência chega-se a um estado de integração total com o cosmos, com a  natureza e com o Criador.

CIENTIFICAMENTE FALANDO

A primeira vista este chá normalmente é classificado pela sociedade  como ‘droga’ ou ‘alucinógeno’. Isto de forma alguma deve desmerecer a  Ayahuasca ou as pessoas que dela fazem uso, melhor seria esclarecermos  que de acordo com a nomenclatura científica utilizada no mundo inteiro  se denomina ‘droga’ qualquer substância, de origem animal, vegetal ou  mineral, que, uma vez introduzida em um organismo vivo, produz  alterações de ordem fisiológica, desta forma também podemos classificar  como droga o café, o açúcar, o guaraná, o chimarrão, etc. Lembramos  também que muitas drogas são usadas para salvar vidas.  Pesquisadores afirmam que um dos componentes da Ayahuasca é o Dimetiltriptamina (DMT). Uma substância que contenha o DMT, para ser enquadrada como droga, dentro das leis científicas atuais, precisa conter ao menos 2 % de DMT. No caso da Ayahuasca este percentual é de 0,02 %, ou seja, 100 vezes menor que a taxa mínima necessária para que uma substância seja considerada droga.

[Segundo pesquisas realizadas pela Escola Paulista de Medicina (USP) e pela Universidade da Califórnia, o chá Hoasca – também conhecido como Ayahuasca – é inofensivo à saúde.  Os estudos concluíram que :”a ayahuasca não causa qualquer padrão de dependência, abuso, overdose ou abstinência” bem como, “não foi observado distúrbios posteriores ao uso do chá”.

Os testes de DL- 50, que estabelecem a dose letal de uma substância – e são feitos com cobaias em laboratório, em geral camundongos – constataram que a DL-50 da Ayahuasca é 7,8 litros.  A DL-50 da água é de cerca de 10 litros, a DL-50 do maracujá é de aproximadamente 8 litros e a DL-50  do uísque é de apenas 1 litro.”

A Ayahuasca é considerada uma bebida sagrada por várias tribos do território nacional, sendo seu uso ritualístico legalmente autorizado pelo antigo CONFEN (Conselho Federal de Entorpecentes), disposição reiterada pelo CONAD (Conselho Nacional Antidrogas), atual SENAD (Secretaria Nacional Antidrogas)].

No Brasil, a Ayahuasca é considerada bebida enteógena, ou seja, seu uso é permitido por fazer parte de um ritual religioso, considerada uma substância que “gera uma experiência de contato com o divino”,  causando uma sensação generalizada de aproximação com o Sagrado e  facilitando o autoconhecimento e o aprimoramento do ser humano.

Não se conhece um único caso de alguém dependente física ou  mentalmente da Ayahuasca. Da mesma forma, não se tem conhecimento de  nenhuma pessoa que, utilizando-a em rituais religiosos, sob a orientação  de pessoas experientes, tenha sofrido qualquer espécie de dano. O que  há habitualmente é justamente o contrário, ou seja, numerosos casos de  pessoas que reestruturaram a vida familiar e profissional, a partir do  uso em contexto religioso. É importante reafirmar que não causa dependência física, sendo o seu uso regulamentado por decisão do CONAD, conforme portaria publicada no Diário Oficial da União em 10/11/2004.

Saída da Ayahuasca da Tradição indígena e sua inserção entre outras etnias.

Na década de 1930, pelas mãos do seringueiro maranhense Raimundo Irineu Serra, ela saiu da floresta. Ele tomou a Ayahuasca pela primeira vez em 1931, quando esteve em contato com índios peruanos (Taitas) no oeste do Acre, que herdaram dos seus ancestrais o conhecimento sagrado da Ayahuasca.

Num ritual com a bebida sagrada, Raimundo Irineu Serra teve uma visão de Nossa Senhora da Conceição, que lhe concedeu a missão de levar a Doutrina da Floresta para todos os povos, tornando popular a Ayahuasca pelo nome de Santo Daime (“dai-me luz”, “dai-me amor”). Na tradição daimista ele ficou conhecido como Mestre Irineu. A denominação ‘Mestre’ vem do fato de que ele era mestre capoeirista, que foi adotada pelos seus seguidores e tornou-se uma forma de designar os condutores das cerimônias com a Ayahuasca. Seu uso se expandiu pela América do Sul e outras partes do mundo com o  crescimento de movimentos religiosos organizados, sendo os mais  significativos o Santo Daime,  a União do Vegetal, a Barquinha, além de  dissidências destas e grupos (núcleos ou igrejas) independentes que o  consagram em seus rituais.

O RITUAL – VIVÊNCIA

“LIMPEZA”

A ingestão da Ayahuasca faz com que a pessoa limpe a alma e o corpo de toda a impureza física, emocional e espiritual, ao entrar em sintonia com o mundo divino, possibilitando o autoconhecimento, num processo de expansão da consciência, que aguça a memória e a percepção da realidade, mudando o significado dos julgamentos, proporcionando um sentimento de rejuvenescimento e a sensação do espírito estar saindo do corpo e de viajar para outros lugares, etc.

Ao ingerir a primeira dose – em média: 100 ml – a Ayahuasca percorrerá toda a corrente sanguínea, buscando no organismo qualquer elemento que esteja bloqueando a expansão de consciência (químicos, agrotóxicos, poluentes, conservantes, álcool, cigarro, drogas, etc);  emocional (depressão, síndrome do pânico, traumas de infância, raiva, inveja, vaidade, orgulho, egoísmo, etc) e espiritual (desta ou de outras vidas) de cada um. Feito isso, estas impurezas serão retiradas do organismo, processo conhecido como ‘Limpeza’.

A limpeza pode se dar de vários meios: Suores, Lágrimas, Bocejos, Dor de Barriga ou Vômito, sendo esses dois últimos os mais comuns. O procedimento de limpeza é tranqüilo e sempre dá tempo de se preparar. Existe, ainda, outro meio de ocorrer a limpeza: energeticamente, ou seja, as impurezas saem sem manifestações exteriores. Esse processo de higinização físico/energético/espiritual é sempre benéfico e facilita o processo, pois ‘joga fora’ os obstáculos ao pleno aproveitamento da vivência.    Purifique-se para receber plenamente as bênçãos e luzes do Trabalho.

A FORÇA

Algum tempo após a ingestão da Ayahuasca, que varia de 15 a 40 minutos, acontece o fenômeno da expansão da consciência. Nesse momento, todos os chackras ficam alinhados e totalmente abertos: é quando se entra na Força. Não receie, pois é uma sensação diferente; na verdade você poderá se sentir ‘meio Astronauta’, principalmente se precisar caminhar. Mantenha sempre a calma e a harmonia, pois estaremos cuidando para que tudo corra bem. Em qualquer eventualidade, basta levantar a mão que alguém irá até você.

Depois de uma hora e meia da ingestão da primeira dose, será servida a segunda dose, de 50 ml.  Eventualmente uma terceira dose poderá ser oferecida, mas essa é opcional. Use o bom senso.

O EGO

Após entrar na Força, você perceberá a manifestação de duas consciências em ação:

  • Uma é silenciosa, harmônica, manifesta-se através do sentir e observa tudo com o objetivo de aprender e evoluir.

Essa é a sua Consciência Verdadeira, o seu Eu Superior, é DEUS em você… É você…

  • A outra, ao contrário, é barulhenta, faladeira, quer medir tudo, quer explicar tudo, questiona tudo, “o  que  é que eu estou   fazendo aqui”, “amanhã vai cair um cheque e não tem fundos”,  “quem essas pessoas pensam que são?”,  “estou  passando   mal, ai, eu vou morrer!”, etc…

Essa consciência é o EGO físico, o conjunto da Mente Racional e do Cérebro, que se forma no nascimento, não faz parte do seu Ser eterno.

O Ego tentará todas as artimanhas possíveis e imagináveis para te desconcentrar e te tirar do Trabalho, pois a expansão da Consciência vai te mostrar a sua Imagem Verdadeira: Espírito, Imortal, Uno Indivisível, Deus-Filho…

Para que o Trabalho seja proveitoso, é necessário calar o Ego e a melhor sugestão que podemos lhe dar é: COLOQUE SUA  ATENÇÃO NAS MÚSICAS E NOS SONS produzidos especialmente para a vivência. O Cérebro possui uma peculiaridade: ou ele ‘fala’ ou ele ‘ouve’, então fica mais fácil manter o aproveitamento da experiência seguindo essa regra simples de concentração.

O TRABALHO

Durante o Trabalho, ocorre a mediunização, ou seja, suas faculdades sensitivas afloram, podendo se manifestar através da clarividência, clariaudiência, desdobramento astral, etc. Nesses momentos, o conhecimento existente em seu subconsciente vem à tona, somado às instruções que são passadas pelos Mentores Espirituais presentes. Esses Espíritos se apresentarão a você na forma que seja mais familiar às suas crenças e concepções, através de arquétipos registrados na sua memória. Isso quer dizer que você poderá ver um anjo, um santo cristão, um orixá ou preto velho, um Mago atlante, um Xamã índio, etc. Em suma, a sabedoria divina permite que seu aprendizado seja conforme suas convicções espirituais.

Esse é um momento especial, não tenha receio! Mesmo se os arquétipos que se apresentarem tiverem formas sombrias, escuras. São apenas figuras que lhe mostrarão a sua necessidade de realizar mudanças internas, corrigir tendências inferiores (mágoas, ira, inveja, etc). Aceite, concentre-se no Mestre Jesus e busque entender a lição que a experiência oferece.

Pode, ainda, não acontecer nenhuma manifestação mediúnica durante o processo, dependendo da sua capacidade de receber uma porção maior ou menor da Verdade (‘Verdade = dado a ver’). Em todo caso, você registrará ensinamentos, fará uma auto-análise sobre o estado espiritual em que se encontra e perceberá quais os caminhos que deve tomar para crescer.

Procedimentos

  • Participantes deste ritual devem se revestir do máximo respeito e seriedade antes, durante e depois do Trabalho. Isso não é uma brincadeira. Você pode desistir e voltar em outra ocasião, mas somente até o momento de beber a Ayahuasca. Depois disso, para sua própria proteção, você somente poderá se retirar após o encerramento do Trabalho (cada ritual dura aproximadamente cinco horas).
  • Logo após a ingestão da Ayahuasca, agradecemos a Deus Pai/Mãe, em nome do Mestre Jesus e de todos os Seres de Luz, pela oportunidade de fazermos parte desta experiência; costumamos agradecer de joelhos, manifestando nossa humildade perante o Criador.
  • Durante a permanência na Vivência, homens e mulheres ficam separados – questão de polaridade energética.
  • Não fale nem converse com os outros durante o Trabalho, para não atrapalhar a experiência dos demais. Se precisar de algo, levante a mão e sussurre, pois a audição fica apurada quando estamos na Força.
  • Não são necessárias manifestação de incorporações durante os Trabalhos. Portanto, se você possui essa mediunidade, controle-se e não dê passividade. Essa experiência é de auto-conhecimento, logo não prescinde da interferência de outras consciências.
  • Procure manter os olhos fechados, isso aumenta a produtividade do seu Trabalho.
  • O Banheiro é apenas para fazer a limpeza por baixo (nº 2). Não se demore lá, pois o Trabalho é no Salão.

PREPARE-SE

Sugerimos que nos três dias anteriores à Vivência, os participantes façam uma preparação:

  • Se alimentar sem carnes.
  • Abster-se de ingerir bebidas alcoólicas e fumar cigarros.
  • Abster-se de consumir quaisquer drogas (cannabis, cocaína, crack, etc).
  • Abster-se das relações sexuais.
  • Faça leituras edificantes e assista apenas temas com mensagens positivas, na TV ou no DVD.
  • Ouça músicas suaves, medite, respire profundamente.
  • Concentrar e elevar pensamentos e sentimentos para fortalecer a vibração psíquica e espiritual.
Anúncios